sábado, 11 de setembro de 2010

Sobre as coisas nas quais nunca reparei

Sempre acreditei que fosse maduro o suficiente. Era até meio prepotente, mesmo sem demonstrar, me julgando mais maduro, mais preparado do que a maioria, mas eu nunca reparei que eu estive e ainda estou longe dessa maturidade toda da qual me gabava. Sempre achei que sabia dizer tudo o que eu queria dizer. Acreditava fielmente que tinha esse poder, mas eu nunca reparei que sou ridículo ao tentar dizer o que quero, o que sinto e penso.
Nunca reparei que sou frágil. Acreditava que era forte, sempre me fiz parecer forte, mas eu sei agora que sou fraco. Me vejo cair no chão em cada situação... Nunca reparei que sou dramático. Faço escarcéu por coisas pequenas, embora faça também nas necessárias. E isso comprova a minha pouca maturidade, embora pareça maduro. Nunca reparei que não sei lidar com relacionamentos muito bem. Me gabava por ter passado por muitos deles, vivido de tudo um pouco, sofrido de tudo um pouco e por isso era mais experiente. Mas a verdade é que eu não aprendi nada, tive relacionamentos rasos e pouco verdadeiros e isso se reflete hoje, no meu namoro, isso me traz problemas por não saber lidar com determinadas situações, por muitas vezes ser idiota com aquela que amo. Nunca reparei que fui uma pessoa vazia durante tanto tempo e que só agora estou me completando, que só agora estou amando verdadeiramente, que só agora estou amadurecendo. Nunca reparei que sou infantil, que sou pouco inteligente, que devo parecer o cara certinho que não sabe fazer mais nada de diferente. Nunca reparei que tem muito mais além do que eu vejo nesse mundo. Nunca reparei que vivi em um mundo fechadinho por tanto tempo e só agora estou conseguindo expandir as fronteiras desse mundo. Nunca reparei que sou carente de mãe. Nem da família toda. Nunca reparei que meu pai me conhecia mais do que eu mesmo. Nunca reparei que devia ter reparado mais em todas essas coisas, pra ser uma pessoa melhor. Espero que agora que reparei, eu possa encaminhar uma melhoria nisso tudo.
Nunca reparei que não sabia escrever decentemente, eu só sei mostrar sentimentos, pensamentos (quando escrevo, não quando falo), mas não sei escrever, de fato. Nunca reparei que tinha medo de ficar velho e de ter deixado o tempo passar. Nunca reparei que não me arrependo de nada do que fiz, mesmo com todas as besteiras que cansei de fazer e repetir e repetir. Nunca reparei que sonhava com esse momento atual: fazer a minha faculdade, aprender a ser homem de verdade, saber e conhecer o que é o amor e ter quem amo ao meu lado, me conhecer melhor a cada dia.
Nunca reparei que gosto de repetir palavras nos meus textos, mas estou começando a reparar.